segunda-feira, 5 de março de 2012

Texto 4 - Primeiros Anos

Hebreus e Fenícios

Vamos observar o quadro abaixo:


Ali vemos cinco civilizações antigas: Egito, Mesopotâmia (atual Iraque), Palestina (atual Israel), Fenícia (atual Líbano) e Pérsia (atual Irã). E, de imediato, percebe-se que as mais antigas foram o Egito e a Mesopotâmia, que se "civilizaram" em cerca de 3000 a.C. Em seguida temos a Palestina (cerca de 2000 a.C.), a Fenícia (cerca de 1000 a.C.) e a Pérsia (cerca de 700 a.C.). É importante percebermos que eles viveram aproximadamente na mesma época, e que interagiram entre elas, num dado momento da História.

Por exemplo: segundo a tradição bíblica, o Patriarca Abraão saiu de Ur, na Mesopotâmia, e se dirigiu para Canaã, a "Terra Santa", por volta de 2000 a.C. Nessa mesma época, o Egito vivia o Médio Império, e os babilônios começavam a formar o Primeiro Império Babilônico. Abaixo, o povo hebreu saindo da Caldeia, em direção a Canaã:


Os patriarcas eram líderes que se comportavam como "pais". Daí a palavra "patriarca". Os hebreus acreditavam que descendiam de Isaac, filho de Abraão e Sara, enquanto os árabes acreditam, até hoje, que descendiam de Ismael, filho da escrava Hagar, com o mesmo Abraão. Nessa crença, temos dois povos que se julgam descendentes de Abraão: judeus e muçulmanos. Abaixo, ilustração representando Hagar e Ismael, no deserto:


Isaac, por sua vez, casou com Rebeca e teve dois filhos: Esaú e Jacó. De Jacó, nasceram as Doze Tribos:

Os filhos de Jacó venderam seu irmão José aos egípcios. Mas de escravo, José se tornou amigo do faraó, e o povo hebreu foi todo morar no Egito. Mas esse faraó era hicso. Quando os egípcios expulsaram esse povo de suas terras, tomaram os hebreus por "amigos do invasor", escravizando-o. Assim, de "amigos", os hebreus passaram a ser escravos. Até que Moisés os levou novamente para a Terra Santa (cerca de 1700 a.C.). Abaixo, cena do filme Os Dez Mandamentos (1956), com Direção de Cecil B. DeMille e Charlton Heston no papel de Moisés, separando as águas do Mar Vermelho:

video

* Caso você queira assistir o filme todo, ele está dublado e completo no Youtube:


Ao voltarem para Canaã, os hebreus passaram a ser governados pelos Juízes, que exerciam uma autoridade legal, mas não religiosa, como os Patriarcas. Eles governaram entre 1200 e 1000 a.C., quando se transformou em Monarquia, sob o Rei Saul. Depois dele vieram os reis Davi e Salomão. Abaixo, imagem representando Davi e Golias:


O Rei Salomão governou durante o Século IX a.C. Após a sua morte, o Reino foi dividido em dois: o Reino de Israel, governado por Jeroboão I e formado por Dez Tribos, e o Reino de Judá, governado por Roboão e formado por Duas Tribos. Abaixo, os dois Reinos:


Em 722 a.C., o Rei Sargão, da Assíria, invadiu o Reino de Israel,levando todo seu povo como escravo, na Assíria, e nunca mais se soube deles.

Após o fim de Israel, Judá progrediu, e Jerusalém tornou-se referência a todos os hebreus/judeus. Outro rei assírio, Senaqueribe, tentou invadir Jerusalém, mas sem sucesso. Em 609 a.C. porém, foram os egípcios que dominaram Judá. E em 597 a.C., foi a vez do Rei Babilônio Nabucodonosor II, invadir Jerusalém. Os judeus foram levados à Babilônia, no chamado Cativeiro da Babilônia (ilustração abaixo):


Em 537 a.C., os persas, liderados por Ciro, dominam a Babilônia, e os judeus voltam para casa...

Quase na mesma época que Abraão saiu de Ur, as cidades fenícias começaram a se desenvolver. Como não tinham muita terra para plantar, os fenícios desenvolveram comércio com a madeira (pinheiros e cedros), a tinta de múrice e trabalhos em vidro, aproveitando a matéria-prima que as praias fenícias tinham em abundância. Abaixo, o Mapa da Fenícia, e suas principais cidades:


Cabe lembrar que as cidades fenícias eram cidades-Estado. Isso significa que cada cidade era independente, sem um poder central. O mesmo aconteceu na Suméria (Mesopotâmia).

Como os fenícios eram mercadores, não tinham tempo para escrever com hieróglifos (como os egípcios) e nem com escrita cuneiforme (como os povos da Mesopotâmia). Assim, eles desenvolveram letras, e formaram o primeiro alfabeto:


Existem teorias que afirma que os fenícios velejaram muito longe, circunavegando a África e chegando até a América. O que se sabe, com certeza, é que os fenícios fundaram a cidade Cartago, em 814 a.C.


ATIVIDADE

- Leia dos dois trechos abaixo, e responda:

Achados arqueológicos mostram que os povos da região do Crescente Fértil – como ficaram conhecidas as terras produtivas que se estendiam da antiga Mesopotâmia ao Egito – não acreditavam em um Deus único e soberano. No período patriarcal, que vai de 2000 a.C. a 1500 a.C., vigorava o politeísmo. Os seminômades, porém, eram henoteístas, ou seja, adoravam apenas uma divindade, mas admitiam a existência de outras. "Cada clã cultuava o seu próprio deus", diz o pastor luterano Milton Schwantes, cientista da religião da Universidade Metodista de São Paulo. "A cultura seminômade não permitia uma diversidade grande de concepções de mundo."
Segundo Milton, o politeísmo surge porque vários subgrupos, dentro de uma grande população, requisitam funções diferentes da divindade – deus da guerra, deus da colheita, deus do poço... Como a população do clã é pequena e homogênea, uma diferenciação como essa poderia pôr em risco o grupo social. "Daí a tendência a um só caminho religioso", afirma Milton. "Mas isso não significa que exista um pensamento teórico monoteísta no mundo antigo. Existe, sim, um monoteísmo de adesão, em que cada grupo adere a um único deus."

Retirado do Texto Abraão - Superinteressante (Jul 2003) - 

1) Qual a diferença entre monoteísmo, politeísmo e henoteísmo?


Mais tarde, porém, por volta do segundo milênio antes de Cristo, conheceram os gregos, que os chamavam phoinix de onde viria a palavra fenício , que quer dizer vermelho. De duas, uma: ou os gregos se referiam à pele bronzeada daqueles tais cananeus ou prestavam homenagem ao mais requisitado item de qualquer mercado fenício: a púrpura, substância usada para tingir tecidos, extraída do molusco múrex. Tamanho sucesso não era para menos: naquela época, a maioria dos homens se vestia nos monótonos tons acinzentados entre o preto e o branco dos tecidos naturais. Colorir, nos tempos dos fenícios, era sinal evidente de boa posição social e vem daí o fato de que, durante muito tempo, o vermelho fosse associado aos nobres e ao poder. 

Retirado do Texto Fenícia S.A. - Superinteressante (Jan 1990) - http://super.abril.com.br/superarquivo/1990/conteudo_111919.shtml

2) Qual a origem do nome "Fenícia"?

Abaixo, uma concha de múrex ou múrice:


5 comentários:

  1. Nossa professor se resumiu bem...Fico bem legal...Já fiz a lição,gostei da numero 1.

    ResponderExcluir
  2. 1 ) Henoteísmo é a crença em um deus único, aceitando a existência de outros deuses. Politeísmo é a crença em vários deuses e
    Monoteísmo é a crença em um único só Deus.

    2) É de origem grega .

    Aluna : Natasha Kimberly Vieira, Turma : 1º B .

    ResponderExcluir